Qual a melhor escola de inglês do Brasil?


Para apontar a melhor escola de línguas do país, é preciso conhecer a metodologia, a dinâmica, o material didático, o nível dos professores e a fluência dos alunos e ex-alunos das opções de ensino presentes no mercado. Todos os fatores mencionados anteriormente – somados à extensa lista de cursos de inglês do país e à ausência de fiscalização ou selo de qualidade no ensino de idioma – tornam esta tarefa complicada e quase impossível. Além disso, não há uma grande avaliação do ensino, nos moldes de um ENEM, por exemplo, e que seja eficiente em classificar as melhores escolas de inglês do país.

Por isso, selecionamos algumas características que podem ajudá-lo a encontrar as melhores escolas e a melhor opção de ensino para você.

1. Sua opção disponibiliza algum tipo de inovação no ensino?

É importante que a escola analisada utilize uma metodologia inovadora e diferenciada, capaz de motivar seus alunos a aprenderem cada vez mais e mais. Boa parte do sucesso alcançado pelo aluno na evolução do idioma está na motivação tanto dos próprios estudantes, quanto dos professores.

Quanto mais antiquada e retrógrada a metodologia, mais difícil será motivar seus alunos e eles terão menos vontade de evoluir. Logo, a utilização de técnicas tais como a gamification, por exemplo, são bem-vindas e trazem resultados significativos para quem deseja aprender uma nova língua, pois aliam o útil – o aprendizado – ao agradável – o ensino descomplicado, pertido e prazeroso.

2. A escola se adapta às suas necessidades?

Uma característica importante e que deve ser levada em conta é se há adaptação da metodologia conforme as necessidades e os objetivos do estudante em relação ao aprendizado.

A escola segue o padrão normal de ensino – com aulas uma ou duas vezes por semana, durante uma hora cada – ou deixa o estudante “livre” para determinar qual o melhor horário e por quanto tempo deseja estudar? Há ainda a flexibilidade dos horários e da disponibilização dos conteúdos e módulos? A opção oferece grupos de apoio no ensino? Se sim, em quais plataformas? Eles são eficazes e realmente auxiliam o aluno?

3. Nível dos professores

Os professores da escola são, de fato, preparados para o ensino do inglês? Quantos anos de experiência eles têm? Eles já moraram em países que têm o inglês como língua nativa? Se sim, por quanto tempo? Quem é o “cérebro” por trás da escola? Estas pessoas são qualificadas para o ensino do inglês?

As perguntas acima e suas respectivas respostas o nortearão na busca pela melhor escolha, uma vez que são os professores e os idealizadores dos cursos os responsáveis por ensiná-lo, dar assistência e tirar suas dúvidas. Ou seja, são eles que irão acompanhá-lo na trajetória do aprendizado.

4. Considere a opinião de quem já estudou ou estuda na escola

Dizem que a melhor propaganda – tanto positiva, quanto negativa-  é aquela feita “boca-a-boca”. Isto não só é verdade como pode ser aplicada para selecionar a melhor opção de ensino da língua inglesa. Para saber se um curso realmente vale a pena e possui metodologia condizente com as suas necessidades, procure ouvir a opinião e as avaliações daqueles que já cursaram ou cursam a escola de idiomas. Questione sobre o tipo de metodologia, os módulos, a evolução dos alunos, a disponibilidade em sanar dúvidas, a atuação dos donos e professores, o que esperavam atingir com o curso, etc. Não se esqueça ainda que cada aluno tem necessidades e objetivos e específicos. Portanto, na sua pesquisa, ouça o maior número de pessoas possível e pondere as avaliações.

 

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *